Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Redenção
Os erros de uma vida inteira podem ser apagados?
Carlos Rogério Lima da Mota

Resumo:
O bebê chora de fome no colo da mãe, que nada pode fazer se não suplicar por misericórdia aos transeuntes, que, acostumados àquela cena, ignoram o fato. O pai, cuja barba atinge o peito, olha para a criança e apenas lamenta pela decisão de ter trocado o interior pela cidade grande na falsa esperança de uma vida melhor...

A cidade está enlouquecida, o trânsito caótico, a população aglomerada nos pontos de ônibus; o moto-táxi brinca com os veículos e, num zigue-zague de causar enjoo, cruza o infinito. Painéis com promoções de grandes magazines reluzem...

A São Paulo do dia adormece com os derradeiros raios solares e uma outra, exuberante, de uma essência que vicia, de um brilho que hipnotiza, resplandece no horizonte, e como deusa, desfila pela imaginação capitalista, fazendo morada nas almas mais ingênuas.

O relógio luminoso, no centro da avenida, marca 22 horas e 14 graus. O vento frio levanta a poeira, invade as casas, balança as árvores... As folhas, desatadas dos galhos, voam pelo alto; parecem pipas desorientadas, em mãos de garotos pequenos. Não demora, a garoa cai, transforma a poeira em barro, causando a comoção em dois idosos, que sentados na cama, veem, pelas frestas da janela, o mau tempo se levantar. Cobertos por um fino manto de lã, relembram o passado, época em que o bonde cortava a cidade, as meninas pulavam amarelinha e as bicicletas concorriam, com os poucos carros, as avenidas...

Ao longe, uma família de migrantes, recém chegada do Nordeste, abriga-se do frio embaixo de caixas de papelão. O bebê chora de fome no colo da mãe, que nada pode fazer se não suplicar por misericórdia aos transeuntes, que, acostumados àquela cena, ignoram o fato. O pai, cuja barba atinge o peito, olha para a criança e apenas lamenta pela decisão de ter trocado o interior pela cidade grande na falsa esperança de uma vida melhor. Consegue reunir algumas poucas madeiras, de galhos envelhecidos, e taca-lhes fogo, na tentativa de se aquecerem. Outro filho, um garoto raquítico, de uns quatro anos, dorme sobre as malas. Seus lábios estão roxos e ressecados.

Por eles passa uma bela limusine cinza, que para a alguns metros. Nela está um senhor de idade avançada, com o celular em mãos.

_Abra a porta, Ronaldo! - pede o homem ao chofer.

Ao sair do veículo, o velho caminha, com a ajuda de uma bengala, até a pobre família, como se intencionasse salvá-la da tragédia social em que vive. O pai das crianças, desconfiado, afasta-se ao poucos, escondendo os filhos atrás de si.

_Acalme-se, homem! Não lhes farei mal! - solicita o senhor, com a mão direita estirada até a altura do rosto, sinalizando serenidade. Vim apenas lhes trazer um balde de sopa... Estão com fome, não estão?

O homem balança a cabeça em sinal de afirmação. Com o balde de sopa nas mãos e alguns pratos de plástico, o chofer aguarda a autorização do senhor para entregar o alimento. O velho, atraído pelo choro do bebê, aproxima-se dele, toca-lhe a face, depois recua alguns passos, dizendo ao chofer:

_Leve todos para um hotel!

_Co-co-mo???- pergunta, atônito, o motorista. O senhor quer que essa gente vá para um hotel? Mas...

_Você não me ouviu, Ronaldo? Leve-os para o mais chique dos hotéis da cidade, dê-lhes comida, roupas e tudo mais o que precisarem... Tudo por minha conta!!! Não lhes deixe faltar nada; se não fizer o que estou mandando, prometo, em nome do mais distinto santo de barro, que lhe demito.

Devido à intimidade de anos, Ronaldo puxa o senhor pelos braços até o carro, mais uma vez, lhe inquire:

_O senhor está bem? Tem certeza do que está fazendo? Eles... eles...são...

_...miseráveis? É isso que quer me dizer?

O motorista, plenamente contrariado, nada responde.

_Sim! Eles são mesmo miseráveis... por isso lhes estendo as mãos...Quem olhará essa gente? Aquele "vindo" do povo, cuja única ação é distribuir cargos aos mais chegados e esmolas aos menos assistidos? Quirelas! Deixe de preconceito com esses que também são seus irmãos, ou você deixou de ser cristão? - os olhos do velho engolem o chofer, que, desatinado pela atitude, nada pronuncia. Faça o que eu mando... e agora! - determina.

_ E desde quando o senhor faz parte da ordem que segue a doutrina de Madre Teresa de Calcutá? - arrisca Ronaldo, num misto de ironia e temor.

Mesmo diante da "piadinha", o homem mantém a classe, optando pelo silêncio.

_Vamos, tenho de levá-lo antes, senhor! - diz o motorista, substituindo a face de sátira por outra de constrangimento.

_Leve-os primeiro!

_Mas...

_Obedeça-me, Ronaldo!

_Mas... o senhor ficará aqui sozinho? Estamos numa zona perigosa, senhor! Temo...

_...Sei me cuidar! - entrecorta-o o velho.

E assim, aos poucos, o homem auxilia o motorista a conduzir a pobre família à limusine. Antes mesmo de fechar a porta, a mãe das crianças pergunta:

_Por que está nos ajudando? Por acaso é algum tipo de...

_...de amigo? - interrompe o homem. Sim! Sou um tipo de amigo, agora vão!

_Obrigado! Que Deus lhe pague por essa bondade... - diz a mulher, com as lágrimas descendo a face.

_Deus lhe ouça, querida! - diz, comovido, retirando a última lágrima que corria o rosto da mulher.

E assim eles partem, ficando o velho para trás. Algumas quadras adiante, Ronaldo, ainda perplexo com a atitude do patrão, para o carro. Com a cabeça sobre o volante, tenta encontrar uma resposta para tudo aquilo, quando lhe vem à mente um envelope entregue dias atrás ao seu patrão. Envelope este já aberto e dentro do porta-luvas. Pegando-o, retira duas folhas cujas palavras elucidariam todo o mistério:
"Paciente: DOUTOR RUBEN MÉDICI, BANQUEIRO, PORTADOR DE CÂNCER CEREBRAL, TEMPO DE VIDA ESTIMADO DE UM MÊS..."

Já a segunda folha guardava o último desejo do velho: "... todo o meu dinheiro deverá ser doado àqueles que tanto necessitam. Uma forma sutil, talvez ingênua mesmo, de um banqueiro ordinário como eu tentar se redimir ante ao Criador, pelos males causados a muitas gerações e a milhões de clientes, que roubei sem piedade, através de juros e tarifas, levando-os a trilharem os mesmos caminhos: a bancarrota e o suicídio! Isso que agora também pratico, após doar tudo o que consegui, almejando o perdão por tantas desgraças e mortes de todo modo..."

Ronaldo resolve voltar com a família para aquele viaduto, seu coração quase lhe foge pela boca. Antes de parar o carro, avista estirado ao chão, a poucos metros, com a face ensanguentada, o corpo do doutor Ruben e, em uma das mãos, uma pistola calibre 38.

_Ele se matou!? - grita o pai das crianças.

Trêmulo, Ronaldo abre a porta e corre ao encontro do patrão, a quem muito estimava pelos bons momentos, independentemente de sua conduta como banqueiro.

_O que será de nós agora, mãe? - pergunta um dos filhos do casal, aproximando-se, assim como toda a família, do corpo do velho.

_Terão a sociedade aos seus pés, assim como teve esse homem... -diz o motorista, agora em soluços.


Biografia:
Formado em Letras e em Educomunicação. Casado, 34 anos, 3 filhos. Colaborador de diversos órgãos midiáticos, sendo eles: YesMarília - (www.yesmarilia.com.br), parceiro da Globo.Com na cidade de Marília, interior de São Paulo, Jornal da Manhã de Marília e Revista Eletrônica Alô Ibiúna, de Ibiúna/SP. Pertence ao quadro de autores da Editora Virtual Usina de Letras (www.contosjuvenis.cjb.net), mantido pelo Sindicato de Escritores de Brasília, que conta, até o momento, com mais de 99 obras publicadas de sua autoria, em sua maioria, artigos e contos de suspense. Seu sonho é ser apenas FELIZ em vida, afinal, que autor consegue ser feliz ao ser incomodado o tempo todo por sua visão perspicaz e sensível de um mundo já torpe feito o atual? * Sites para os quais escreve: http://recantodasletras.uol.com.br/autores/carlosmota http://twitter.com/autorcarlosmota http://www.artigonal.com/find-articles.php?q=carlos+rogerio+lima+da+mota www.brasilwiki.com.br www.etextos.com.br www.contosjuvenis.cjb.net http://carlosmota.dihitt.com.br/ www.autores.com.br/carlosmota http://www.jornaldamanhamarilia.com.br/site/ver_noticia.aspx?CodNoticia=8298 http://www.diariodesorocaba.com.br/noticias/not.php?id=21168 http://www.talentos.wiki.br/post.php?id=14206 http://autorcarlosmota.blogs.sapo.pt http://contosjuvenis.weblog.com.pt/ http://literaturaperiferica.ning.com/profile/carlosmota
Número de vezes que este texto foi lido: 448


Outros títulos do mesmo autor

Contos Redenção Carlos Rogério Lima da Mota
Crônicas Deus não existe! Carlos Rogério Lima da Mota
Crônicas Às moscas Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos Como construir leitores capazes de autoria? Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos A telenovela retrata o cotidiano Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos Colunista social português assassinado por suposto namorado Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos PORTUGAL À BEIRA DA BANCARROTA Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos AS ARMADILHAS DA LÍNGUA PORTUGUESA EUROPEIA Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos Alunos de escola de Cotia lançam livro coletivo Carlos Rogério Lima da Mota
Romance "OBSESSÃO..." - CAPÍTULO II Carlos Rogério Lima da Mota

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 21.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 69538 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55944 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 48563 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44679 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44322 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43940 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 43249 Visitas
viramundo vai a frança - 43206 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41949 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41577 Visitas

Páginas: Próxima Última