Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Esporádica companhia
Gladyston costa

Os vidros da janela embaçados de vapor encobrem a imagem da rua lá fora, faz frio e choveu a noite toda. Desde a madrugada o barulho da chuva vem decorando o semblante desta sexta feira nesta meia estação conhecida por outono. O asfalto molhado faz ecoar o som dos pneus plagiando o barulho do mar, um pequeno rastro de lembrança, quando as ondas quebram, chuva fina e a praia deserta. Tempos atrás nessas noites, costumava descer a avenida no início da madrugada até o centrinho comercial, caminhadas solitárias são combustível para a memória e imaginação. Em São Paulo nas noites de frio e garoa, as ruas por vezes estão vazias de gente, apenas os automóveis passam monotonamente e se enquadram na paisagem. Em meio ao caminho casas antigas intercaladas por prédios novos com suas linhas retas e racionais são uma contenda entre o presente e o passado. Sempre tive uma preferência indisfarçável pelas construções antigas com suas paredes, portas e janelas velhas repletas de contos e histórias. No portão de uma dessas casas velhas, vez em quando, uma senhora costuma desejar boa noite. A casa branca de muro cinza com balaústres de concreto e portão com grades de ferro tinha um pequeno jardim com pé de romã, rosas e margaridas. A varanda com uma pequena mureta e as portas e janelas de madeira, estilo barroco, não deixam dúvida quanto ao tempo transcorrido. Aquela velha senhora, um tanto quanto rechonchuda, de rosto branco avermelhado, rugas pronunciadas, e lenço na cabeça, compunha um cenário equilibrado com a velha casa. Certamente pela aparência haveria de ter vindo da Áustria ou Alemanha, possivelmente chegado por aqui no tempo da segunda guerra mundial. Invariavelmente, naquelas noites frias e molhadas ela estava no portão, sempre oferecia uma boa noite e profetizava indagando: - Está indo à padaria? Como quem estivesse apenas buscando atenuar a solidão. Jamais procurei saber, mas sempre imaginei que a velha senhora fosse solitária naquela casa. Sempre tive uma inquietante vontade de parar e prosear, mas nunca o fiz. Algum tempo passou e seguindo a tendência vista pelos bairros antigos da cidade, onde as velhas casas são trocadas na paisagem por prédios novos, a presença de caminhões, retroescavadeira e operários na frente da casa anunciava a sua demolição. Por impulso e quase sem pensar fui até o local, queria saber sobre a moradora, última chance de saber um pouco sobre a esporádica companhia de início de madrugada. Os trabalhadores que já iniciavam a remoção das janelas não souberam informar sobre a senhora e apenas confirmaram que em breve ali haveria mais uma torre de apartamentos. Então procurei nas casas próximas igualmente antigas, encontrei um senhor que, para meu espanto, disse que aquela casa em demolição estava sem morador há décadas, e que uma senhora de origem alemã morrera ali em meados dos anos sessenta, há quarenta anos. O frio na barriga se espalhou para a coluna, as pernas tremeram e os olhos arregalaram. O tempo correu e hoje no local há mais um prédio a verticalizar a cidade.

Gladyston Costa


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 515


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Infarto Gladyston costa
Crônicas No trânsito, a cidade. Gladyston costa
Poesias Luz de vela Gladyston costa
Crônicas Segundos no farol e a vida Gladyston costa
Crônicas COVID 19, nem tão novo assim. Gladyston costa
Poesias A morte da velha rica Gladyston costa
Crônicas Desembarque pelo lado esquerdo do trem Gladyston costa
Crônicas O verme da razão Gladyston costa
Crônicas Insônia Gladyston costa
Poesias Gula capital Gladyston costa

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 48.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Amores! - 40516 Visitas
TOMO TUDO - sigmar montemor 39913 Visitas
Lamento - FERNANDO 39693 Visitas
Desabafo - 39458 Visitas
MANCHETE DE JORNAL - sigmar montemor 38559 Visitas
Faça alguém feliz - 37629 Visitas
Vivo com.. - 36838 Visitas
Parabéns, Daniel Dantas! - Carlos Rogério Lima da Mota 36404 Visitas
eu sei quem sou - 35793 Visitas
MENINA - 35592 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última