Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Desembarque pelo lado esquerdo do trem
Gladyston costa

A corrida dos carros pela avenida é ruidoso e impessoal, lá dentro os rostos ocultos pelas janelas são como peixes no aquário. Pela calçada até a estação do metrô tendas, barracas, biscateiros e gente de todo o tipo. Na entrada da estação o cheiro ocre de diesel colore a cena com cinza.
- É três por cinco! Tem sempre alguém vendendo alguma coisa.
A comida é rápida e barata, pouco dinheiro é a regra e o cardápio a fome. Tem batata frita com creme no saco de papel, cachorro quente e ketchup derramando, biscoitos, balas e suco colorido na garrafa. Têm roupas e bugigangas, coisas eletrônicas, relógios reluzentes e às vezes o rapa.
Toda aquela gente apressada em seus sapatos personalizados, o social clássico de maleta e terno pretos, o encardido de sola gasta, o salto alto de saia curta, o brega, a rasteirinha e o chinelo de tiras. Os pés andam ligeiros e levam seus donos pela estação, quase correm, o ambiente é de pressa e pouco tempo.
Bilheterias à esquerda, catracas à direita, escadas que sobem e que descem,trens que vem e que vão. Fila no guichê, fila na catraca, na escada e na porta do vagão. Gente que entra e que saem como sonhos que evaporam, rostos como fleches que desmancham no ar.
- Para a sua segurança não ultrapasse a linha amarela.
No vagão pessoas em pé ou sentadas são passageiros de uma historia tão curta quanto à viagem entre as estações. As vozes se espremem pelo pouco espaço e se misturam em frases entrecortadas, dizem sobre amor, dinheiro, política, jogo, novela e fé. O movimento é constante, as estações se alternam, pessoas vão e outras vêm. Pregam, falam, calam, tem a voz que bilíngue anuncia a chegada a uma próxima estação e a clandestina que faz o pregão.
- É mais barato, é pra acabar, é um real!
A senhora com sacola, a moça bonita com fone de ouvidos, o cara de chapéu e maleta, o estudante de mochila nas costas, o leitor, o vendedor, aonde vão? Gente diferente e ao mesmo tempo tão igual. Fome, sede, sonhos e medos é gente no plural de um único rosto singular.
- Suporte aranha, a novidade, pra ver, tirar foto e filmar, sem imposto... Cinco reais!
Segue o trem, corre a cidade, desliza nos trilhos, para na estação, gente que entra e gente que sai. Um pedaço encardido de papel rouba o sossego, passou por tantas mãos com frases feitas na medida, reclama compaixão.
– comida e remédio, mãe doente e desemprego... A miséria social e a vida como ela é. Segue o trem incontinente, com pessoas, desejos e necessidades em seu insólito mercado.
- Próxima estação Sé, desembarque pelo lado esquerdo do trem, nex station Sé... Voz com locução milimétrica nos detalhes.
Quem vai e quem fica?   O trem para, a porta abre, gente sai, outras entram, a viagem segue, a vida segue.
                                                                                               Gladyston Costa


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 33763


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Pão de Ló Gladyston costa
Contos Esporádica companhia Gladyston costa
Poesias Indolente sedutor Gladyston costa
Crônicas Asas sobre sampa Gladyston costa
Poesias Abraço Gladyston costa
Poesias Água doce Gladyston costa
Crônicas Na borda da banheira Gladyston costa
Poesias Ladeira da misericórdia Gladyston costa
Crônicas Principia a primavera Gladyston costa
Crônicas Divagações sobre um poema Gladyston costa

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 48.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 34842 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 34786 Visitas
LÍRIO - Alexsandre Soares de Lima 34710 Visitas
Como posso desenvolver uma campanha de marketing - Antonio 34700 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 34694 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 34693 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 34691 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 34655 Visitas
Um dia serei algo - José Rony de Andrade Alves 34653 Visitas
A Carta Gelada - José Rony de Andrade Alves 34640 Visitas

Páginas: Próxima Última