Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Asas sobre sampa
Gladyston costa

“23°37'34''S,46°39'23''W”...
As coordenadas geográficas são a posição e o destino final dos “boings” que se aproximam, vem desenhando uma parábola certeira e em minutos cortam o céu acima do largo. O movimento é constante e contínuo. É mais um fim de dia em Sampa e os aviões estão em fila na rota de aproximação com a pista de pouso de Congonhas. É notável o movimento no céu por essas horas, são como pássaros que vão para o ninho ao anoitecer! É quase inverno e um resto de sol crepuscular se estreita entre o chão e o firmamento, muitos prédios, os olhos mal alcançam o poente. Mais um avião vem chegando, o movimento não para, tragados por paredes se escondem da vista no céu cor laranja. Chegam, vem um e depois outro, numa fila longa sem parada. O sol que se oculta pouco os ilumina, seus faróis estão acessos e as turbinas rasgam o ar deixando um rosnado estridente atrás. A aproximação é lenta e monótona, vem um e depois mais um na mesma linha certa. O traçado é sóbrio, milimétrico e calculado, numa parábola invisível riscam o céu da cidade. São pássaros de lata com suas lanternas acesas, tem luz vermelha cintilante sobre a testa e bico de curicaca. Passam com suas asas cor prata acima das antenas e se escondem por trás dos prédios. Tangenciam o sol para além das paredes e antenas, em uma trajetória certeira e marcada miram a torre de controle adiante. Fim de dia, fim de outono, o céu tem tom laranja, pois a Terra recolhe o sol, a noite ascende. Pelas ruas o movimento é constante, há pressa, é fim de dia, fim de expediente... Será que alguém nota o céu com seus pássaros de lata? Pelo céu o avião chega anônimo, o seu ronco estrondoso compõem a paisagem sólida e estática. Vem gente de longe por essas asas, lá no alto, ocultos na barriga do pássaro de prata. Do Largo da Batata dá pra ver do chão por entre as frestas da paisagem de concreto, um, dois, três, cada avião. Trazem gente de longe, de muito longe, no fim da parábola o fim da viagem. Quem são? Quem chega? Escondidos da retina são gente sem nome e sem rosto, quem sabe famosos!?. Com suas asas de lata vem do horizonte distante, rosnando mas discretos são pássaros de chumbo plainando para o pouso. Já é noite em Sampa, o sol já se pôs, mas a fila no céu nunca termina. Mais um, dois três… .



Gladyston Costa


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 292


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Infarto Gladyston costa
Crônicas No trânsito, a cidade. Gladyston costa
Poesias Luz de vela Gladyston costa
Crônicas Segundos no farol e a vida Gladyston costa
Crônicas COVID 19, nem tão novo assim. Gladyston costa
Poesias A morte da velha rica Gladyston costa
Crônicas Desembarque pelo lado esquerdo do trem Gladyston costa
Crônicas O verme da razão Gladyston costa
Crônicas Insônia Gladyston costa
Poesias Gula capital Gladyston costa

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 48.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Amores! - 40515 Visitas
TOMO TUDO - sigmar montemor 39913 Visitas
Lamento - FERNANDO 39693 Visitas
Desabafo - 39456 Visitas
MANCHETE DE JORNAL - sigmar montemor 38556 Visitas
Faça alguém feliz - 37627 Visitas
Vivo com.. - 36836 Visitas
Parabéns, Daniel Dantas! - Carlos Rogério Lima da Mota 36404 Visitas
eu sei quem sou - 35793 Visitas
MENINA - 35591 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última