Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Principia a primavera
Gladyston costa

Mais uma vez, a parábola desenhada no espaço, pela terra, traz o início de uma nova estação, setembro avança, é quase fim de inverno. A nova estação, a primavera, vem chegando lenta e com a suavidade costumeira, lá fora uma chuva fina desmancha a secura do ar. Nesta manhã de domingo o silêncio é quebrado pelo ronco distante dos trovões e pelo chiado das águas que alcançam o chão. Contrariando a estridente metrópole, a manhã é silenciosa e o barulho das águas é um mantra que abraça o corpo e o leva a lugares distantes. Em um minuto já se está longe... As paredes retilíneas dos prédios são trocadas pela silhueta dos morros que cercam o vale profundo, decorado por densa mata verde, flores de manacá e ipês se espalham pelas encostas e colorem a paisagem. O cheiro de terra molhada se mistura ao perfume das flores do lírio do brejo. A floresta está em concerto, no ar o som das águas, das folhas nos galhos em balanço, dos pios e dos assovios dos pássaros que se abrigam na densa vegetação, perfeita harmonia. As águas escorrem desde o alto da serra até o fundo do vale, ganham o leito do rio de águas claras e seguem seu curso natural. Com a mudança de estação, a primavera retorna trazendo o frescor das águas da chuva e um novo ciclo de vida. O colorido das flores lá fora, os sabiás laranjeira, sanhaços e toda sorte de passarinhos construindo ninhos, dão à estação uma magia peculiar. Da janela aberta no quarto, a visão das gotas d’água que caem do telhado, traduz o movimento cíclico das coisas do mundo. Assim como a terra se movimenta para alcançar, a cada período, uma nova estação, as águas, após longa viagem, chegam trazendo a certeza da renovação. Em tempos de medo e de estupidez, onde a ganância de homens incautos queima florestas e fere de morte a existência, perceber a natureza cíclica do universo é um alento. A natureza, alheia à fé ou à razão do homem, pertence a ela própria, nascimento, vida e transformação sem fim! Intangível à compreensão. O mundo gira em movimentos de translação e rotação, o tempo é em essência esse movimento, a estação que principia em chegar, definitivamente, marca um novo tempo. A metrópole com seu mar de prédios, ruas e avenidas, para além da janela do quarto, está mergulha em um incerto silêncio nesta manhã. A primavera se aproxima, é tempo de reencontro e contemplação.


Gladyston Costa


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 266


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Infarto Gladyston costa
Crônicas No trânsito, a cidade. Gladyston costa
Poesias Luz de vela Gladyston costa
Crônicas Segundos no farol e a vida Gladyston costa
Crônicas COVID 19, nem tão novo assim. Gladyston costa
Poesias A morte da velha rica Gladyston costa
Crônicas Desembarque pelo lado esquerdo do trem Gladyston costa
Crônicas O verme da razão Gladyston costa
Crônicas Insônia Gladyston costa
Poesias Gula capital Gladyston costa

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 48.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
Amores! - 40516 Visitas
TOMO TUDO - sigmar montemor 39913 Visitas
Lamento - FERNANDO 39693 Visitas
Desabafo - 39458 Visitas
MANCHETE DE JORNAL - sigmar montemor 38559 Visitas
Faça alguém feliz - 37627 Visitas
Vivo com.. - 36838 Visitas
Parabéns, Daniel Dantas! - Carlos Rogério Lima da Mota 36404 Visitas
eu sei quem sou - 35793 Visitas
MENINA - 35591 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última