Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
PROFUNDO 12 IND 16 ANOS
DE RICO FOG E IONE AZ
paulo ricardo a fogaça

Resumo:
BOM

Levi lava o seu rosto e sai do apartamento de Sandra, já no estacionamento Renato chega ali.
   - Bom dia.
   - Bom dia, não diga que acordei vocês?
   - Nada, eu já estava acordado, só estava com vergonha de ser o primeiro a sair da cama.
   - Sei, casa dos outros, sempre somos assim. Risos.
   Renato pega carona com Levi que segue para o condomínio.
   Assim que Renato entra em casa, Mafalda ali com cara de quem não dormira nada.
   - Onde você estava?
   - Sai com amigos mãe, agora cheguei.
   - Pare de ironia, esta ficando igual a seu pai.
   - O que foi dessa vez?
   - Sabia que seu amado pai teve e tem uma amante?
   - O que mãe, o pai é só trabalho.
   - Era o que eu pensava também, mais ontem eu confrontei a sujeita, acredite, ele esteve por um bom tempo na cama da Simone.
   - Como mãe, a Simone é praticamente da família, a senhora mesma sempre nos disse isso.
   - Eu já desconfiava, sentia isso nos ossos, só queria ver até onde eles iriam me enganar, arrastar todo esse circo que me envolveu e a vocês também.
   - O que vai fazer mãe?
   - O que me resta, o que já deveria ter feito há anos, vou me separar, seu pai já não existe em minha vida e ponto.
   - Vão se separar?
   - É o melhor a fazer.
   - Mais mãe...........
   - Já liguei no trabalho e tirei uns 3 dias de folga, até quarta eu não saio desse sofá, quero ver a cara do cafajeste quando ele cruzar aquela porta, ah isso eu vou ver e de camarote.
   - Onde está o pai?
   - Marcelo, foi atrás da periguete dele, não acreditou quando eu lhe disse que a vagaba esta de casamento marcado com outro.
   - A Simone vai se casar?
   - Sim, com um velho rico, afinal o diabo faz as suas peças.
   - Mãe, pense melhor, vamos subir, por favor, eu te levo pro quarto, vai dormir um pouco e depois que acordar pensará melhor sobre tudo, vem comigo mãe.
   - Não, eu já disse, eu vou ficar aqui e ver a cara de pau dele, isso sim.
   - Mãe.
   Renato olha mais carinho para a mãe que definha ali os últimos sentimentos de um casamento que nunca fora perfeito, ele mesmo já havia ouvido por ai sobre seu pai com Simone, porém nunca ligara a fofocas.
   - Você vai ficar bem?
   - Sim, afinal estou aqui desde que ele saiu no meio da madrugada.
   - Mãe. Renato vê os olhos da mãe encher de lágrimas, Hellen e Elis saem á beira da escada onde sentam olhando para mãe.
   Renato segue para a cozinha, logo as irmãs estão ali com ele, Elis prepara pão com queijo no forninho enquanto ele e Hellen fazem chocolate no leite, assim seguem com o lanche e dão para mãe com um copo de chocolate, Mafalda ali na sala, come o lanche derrubando lágrimas e olhando para os filhos ali.
   No quarto, Renato relata os últimos acontecimentos a Levi por telefone, o rapaz ouve tudo respeitando o amigo e fala algumas coisas a ele, experiências passadas por ele e agradece ao amigo por lhe confiar tal assunto.
   - Nossa cara, se não fosse você hein.
   - Ligou para a Sandra?
   - Cara, depois de tudo aqui, eu esqueci. Levi orienta o amigo para que ligue a moça.
   Marcelo termina outro copo de cachaça ali num trailler perto do centro, uma mulher loira o acompanha tentando por tudo leva-lo para sua casa, Marcelo se torna firme ali e ao choro derruba lágrimas na mesa, o dono do lugar faz sinal para ela que entende e chama Marcelo para beberem em outro lugar.
   Ele decide por não ir e pede um carro por aplicativo com ajuda dela, logo se vê frente ao condomínio e entrega a chave de seu carro para o porteiro que arruma algém de confiança para buscar o carro do médico.
   De frente a sua casa, ele senta no gramado e ali chora vagarosamente até criar coragem de entrar na residência, ao entrar vê algumas malas e bolsas ao pé do sofá.
   - Conseguiu falar com ela?
   - Vá para o inferno, egoísta.
   - No inferno eu ja vivo desde que te disse sim naquele altar há anos atrás.
   - O que quer mais, tripudie de mim, pode rir, sei que é isso que faz e quer.
   - Não, eu só quero uma coisa sua, saia dessa casa.
   - O quê?
   - Por favor Marcelo, acabou, não quero ser a mesma de ontem, vai embora sem conflitos por favor, respeite minha decisão e saia.

   





                                    10




             No quarto do hotel, Marcelo guarda as roupas em um micro armário, ficando boa parte destas nas bolsas que trouxera, cabisbaixo ele sai e num bar entrega os últimos acontecimentos á cargo da bebida.
      Dias depois, ele no hospital realiza seu trabalho já mais receptivo a sua nova situação, até conseguira o contato de uma enfermeira novata com a qual esta tentando um inicio de relacionamento.
      Mafalda por sua vez procura ajuda dos alcoolicos anônimos e com isso vai se afastando das bebidas, se dedicando ao trabalho na escola e a família.
      - Que bom mãe, não se entregou a outras..........
      - A bebida, não, jamais meu filho eu disse que ia superar tudo isso.
      - Eu sinto muito orgulho de você mãe.
      - Obrigado meus pequenos. Mafalda recebe abraços dos 3 filhos ali.
      Marcelo chega no inicio da noite no hotel, Renato o aguarda na recepção.
      - Filho.
      - Oi pai.
      - Tudo bem. Os dois sobem a escada para o segundo andar quarto 38.
      - É aqui, não é tão aconchegante quanto a nossa casa mais é bom.
      - Claro pai, esta ótimo.
      - Quer beber algo?
      - Não precisa.
      - Espere. Marcelo abre o frigobar que ele comprara e tira duas latas de refri.
      - Aqui.
      - Obrigado.
      Marcelo olha fixo para o filho e.........
      - E a sua mãe, esta bem?
      - Por incrível que pareça, sim pai.
      - E as bebidas, ela não esta bebendo muito?
      - Ela esta frequentando o AA e nunca esteve melhor, palavras dela.
      - Eu acredito, sua mãe é muito forte.
      - Por que pai, eu só quero entender, por que logo a mulher que se dizia amiga da gente?
      - Eu também não sei, só sei que acabei gostando, nos conhecendo, você entende, surgiu.
      - Não pai, eu namoro, hoje eu estou com uma linda moça, Sandra, este é o nome da garota que eu saio e amo, pai.
      - Nossa filho, você cresceu, esta mais homem.
      - Pare pai, eu não vou ficar do seu lado, nem da mãe que se deixou enganar por mais de 3 anos.
      - Eu amo a sua mãe.
      - Se a amava, por que a traiu, por quê?
      Vocífera o filho para o pai.
      - Você veio me crucifixar, tudo bem, faça, sua irmã fez e faz o mesmo, pior me ignora toda vez que cruzamos no hospital ela faz questão de fazer que não sou nada dela, nem pai.
      - Ela esta super errada, mas mesmo assim, pai, você é o nosso pai, o exemplo de bom a seguir, qual exemplo eu devo seguir de você, me responde?
      - Nenhum, continue assim, sendo esse homem forte e capaz de superar.
      - Não pai, eu não fui e não sou capaz de superar essa separação de vocês, eu amo os dois, entende.
      Renato desaba em choro e soluços, Marcelo o abraça e ali ambos são tomados por sentimentos.
      - Me perdoe meu filho.
      - Pai eu te amo.
      - Eu também te amo meu filho.
      Marcelo abraça forte o filho que molha o ombro do pai com lágrimas.
      Levi chega do clube e sobe para seu quarto, toma banho e já trocado desce para a cozinha.
      - Olá filhote.
      - Pare de frescuras Júlia, não sou nada de vocês.
      - O que foi, mais brabinho hoje?
      - E o Gilmar?
      - Cuidando do novo clube de Leticia.
      - Ela conseguiu.
      - Sempre, esta ai uma garota que sabe o que realmente quer, diferente de outros que eu conheço, ela é forte, capaz e sempre avançando.
      - Se é tão fã dela assim, vá para o lado dela.
      Macedo entra.
      - E me deixar só, aqui?
      - Por mim, que morram os dois, não me importo nem um pouco com vocês.
      




           Elis passa o crachá no ponto e sai do hospital, destrava o alarme de seu carro quando Yuri vem ao encontro dela.
    - Elis.
    - O que foi Yuri, vai embora.
    - Vai, me ouve, por favor.
    - Perdi muito tempo com você Yuri, acabou.
    - O que foi, virou modinha na família se rebelarem e largarem os homens de verdade?
    - O que quer dizer com homens de verdade?
    - Não seja assim, você é linda, é você que eu amo.
    - Igual a enfermeira novata, foi isso também que disse a ela?
    - Pare Elis, aquilo foi um deslize.
    - Deslize, vou fazer isso também.
    - Nem ouse esta entendo, você é minha, minha.
    Yuri encosta seu corpo ao dela contra o carro.
    - Se eu pelo menos imaginar qualquer atitude dessa de você, olhe, nem sei do que sou capaz, esta entendendo.
    - Me solta Yuri, vou gritar.
    Marcelo chega ali.
    - Solta minha filha.
    Num gesto ele retira o rapaz de sua filha, Yuri tenta segura-la mais Marcelo lhe golpeia com um soco levando o rapaz ao chão.
    - Pai.
    Yuri levanta e parte para cima de Marcelo os dois entram em luta corporal, logo seguranças intervém sob os gritos de Elis.
    - Nunca mais me procure Yuri, nunca mais.
    - Isso não vai ficar assim.
    Yuri sai dali escoltado pelos seguranças do hospital, funcionários vem até Elis e Marcelo os levando para dentro do hospital.
    - Me desculpe, pai.
    Os olhos de Marcelo brilham ao ver a filha ali cuidando dos ferimentos causado pela briga.
    - Filha, sou seu pai, quero sempre o seu bem, acima de tudo, meu amor.
    - Obrigado.
    - Sei que esta com raiva de mim, não te culpo, acho que se fosse meu pai estaria também, me perdoe filha.
    - Pai, eu te amo, muito meu pai.
    Um abraço dos dois ali na sala dos curativos.
    Yuri entra no seu carro fazendo uma ligação.
    - Pai, quero que acabe com o Marcelo, sim e aquela maldita filha dele.
    Yuri desliga como que se o mundo fosse todo seu, seu riso maligno demonstra isso.
    Mafalda termina o assino de alguns documentos dados por uma secretária quando toca seu celular.
    - Só isso?
    - Sim diretora. A mulher sai e ela atende a ligação.
    - Oi, filha, o quê, aquele canalha, vou falar com ele, você esta bem, o quê, seu pai, graças a deus, tá, estou indo ai, não, tá, tchau.
    Mafalda desliga quando ouve leve batida a porta.
    - Entre.
    - Diretora.
    - Oi filho, que bom que veio, já ia te procurar.
    - O que houve?
    - Sua irmã teve problemas com o Yuri.
    - Aquele imprestável, vou acabar com ele, o que ele fez a minha irmã?
    - Fique calmo, seu pai já resolveu, colocou aquele almofadinha no devido lugar.
    - Sério mãe?
    - Sim meu filho, seu pai sempre se preocupou e muito com todos os 3.
    - Nossa, mais para mim quem cuidava da gente tirando as babás, foi a senhora.
    - Eu sempre o deixei á par de tudo, tudo.
    - Nunca imaginaria isso, mãe.
    - Mais saiba, ele sempre me orientou no que fazer e dizer a vocês, seu pai os ama e muito viu.
    - Sério?
    - Sim meu filho, seu pai sempre foi um excelente pai.
    - Fico admirado que fale tão bem dele depois de tudo que ele fez.
    - O Marcelo como homem, marido foi péssimo, mesmo assim tivemos grandes momentos juntos, mais como pai, herói que é, filho eu não poderia ter escolhido um homem melhor para ser o pai de vocês.
    - Mãe.
    - Vá para a sala já vai tocar o sinal, vai.
    - Mãe.
    - Por favor.
    Mafalda insiste e Renato sai dali indo para a aula.
    Leticia arruma as roupas quando Jarbas entra no quarto.
    - Deixe que faço isso, senhora.
    - Não Jarbas, quero que faça outra coisa para mim, por favor.
    - Sim senhora.
    - Fique de olho no Ivo e faça com que ele cumpra a parte dele nestes dias, arrume também um garçom para o clube.
    - E o Gilmar?
    - Vou deixa-lo a cargo de tudo por lá, deixe ele pensar que esta no comando, mais não o deixe se criar muito.
    - Sim, senhora.
    Jarbas sai do quarto, Leticia segue para o banho logo ouve o toque de chamada em seu celular.
    - Oi amor.
- Oi amor.
    - Oi minha linda paixão.
    - Estou já quase pronta para você.
    - Eu ainda terei de ir na minha casa e me arrumar pra você paixão.
    - Meu marido médico é muito devoto ao trabalho.
    - Marido?
    - Já me sinto sua esposa.
    - Gostei disso, esposa. Risos.
    O casal fica ali trocando carinho por telefone até que Allan se despede desligando.
    Gilmar termina de conferir o estoque do clube em bebidas e petiscos, confere a limpeza minunciosamente já que Leticia é um tanto obcecada por isso.
    - E então sr?
    - O que foi Jarbas, pode me chamar de Gil.
    - Sim, Gil.
    Gilmar e Jarbas seguem para o escritório onde Gil lhe passa os livros de contabilidade do clube.
    - Pelo jeito esta tudo certo.
    - Sim.
    - Vou tirar uns print e mandar para a senhora Leticia.
    - Posso te fazer uma pergunta Jarbas?
    - Já fez.
    - Sério, você já se imaginou trabalhando para uma outra pessoa sem ser a Leticia, ganhar mais e...........
    Gil para por ali sua pergunta ao sentir no umbigo o frio cano da pistola de Jarbas.
    - O que disse senhor?
    - Nada Jarbas, pode continuar o seu trabalho, vou sair agora, tudo bem?
    - Sim senhor. Jarbas guarda a pistola quando Gil sai dali.


                                        02112020..............











                                           11




               Glads sai da obra para o almoço em casa, passa pela quitanda do senhor que lhe dá bicos nas feiras de fins de semana e as quarta.
    - Oi sr Vanderlei.
    - Oi Glads.
    - O sr falou ao meu avô que quer falar comigo, sobre o que se trata sr?
    - Sim, um amigo daqui da quitanda e meu também quer um garçom no clube que ele trabalha.
    - Sério seu Vanderlei?
    - Sim e eu te indiquei, e ai vai querer?
    - Lógico seu Vanderlei, nossa o sr não imagina a felicidade que estou sentindo agora, muito obrigado seu Vanderlei.
    - Eu sabia que ia ficar feliz, tome o endereço e o numero do cara.
    - Obrigado seu Vanderlei, de coração, obrigadão mesmo.
    Glads sai mais contente do que quando entrou, chegando em casa corre para a mãe, Arlete recebe o filho com um lindo sorriso, depois ao quintal ali em meio aos varais de roupas Lourival toma o sol numa cadeira.
    - Vô acabei de vir da quitanda do seu Vanderlei.
    - E daí, ele te deu o quê pra trazer para essa cambada morta de fome que mora aqui?
    - Me deu o melhor, uma oportunidade de ganhar mais e assim poder trazer um rango melhor pra mim e pra vocês.
    - Como assim, finalmente o velho te deu o cargo do caixa e assim você vai desviar um aqui pro seu vô?
    - Não vô, eu vou trabalhar de garçom num clube e ganhar muito mais para pagar as contas daqui de casa, é isso vô.
    - Ah, isso ai, grande coisa.   Lourival desvia o olhar do neto olhando para a goiabeira a crescer no limite do quintal.
    - O que foi meu filho?
    Glads conta para a mãe que sorri tanto em felicidade pelo filho, logo saindo da realidade.
    - Tenho que avisar a minha bebê.
    - O que mãe?
    Arlete sai para dentro da casa e logo retorna com a boneca no colo embalando-a e contando a novidade do emprego de Glads.
    - Tá vendo filha, seu irmão vai trabalhar e ganhar dinheiro para a gente, ai a mãe vai poder comprar um montão de vestidinhos pra minha princesa, não é mesmo filhinha?
    Glads ao ver aquilo engole um sentimento, seus olhos marejam e Lourival não perde a chance.
    - Pronto ficamos sem comida, foi pro saco o almoço, muito obrigado meu neto trabalhador e sonso.
    - Vô.
    O neto segue levando a mãe que insiste em sentar no chão e brincar com a boneca, logo as crianças chegam para brincar com Arlete, Glads vai na cozinha e termina o preparo da comida, pronto, Lourival é o primeiro a sentar á mesa.
    - E então, o que vamos comer hoje?
    - Omelete e a sobra do frango de ontem.
    - Tem arroz?
    - Eu esquentei o que tinha na panela.
    - Pelo menos não vou morrer de fome, ainda não.
    - Tá vô, o senhor sabe que eu nunca irei deixar isso acontecer, sabe disso muito bem.
    - Você tem é de se casar, o mais rápido possível, a gente precisa de uma mulher nesta casa urgente isso, uma mulher lúcida de preferência.
- Por favor vô. Glads fica chateado saindo da cozinha sem comer.
No caminho de volta para o trabalho Glads compra fiado em um bar 2 pães com mortadela e um copo de café com leite.
    Leticia espera Allan em frente a casa dele, logo o médico sai em roupas confortáveis, a mulher sai do carro corre abraçando-o e o beijando.
    - Nossa, que jeito delicioso de ser recebido.
    - Não viu nada ainda, Maceió não será a mesma depois que chegarmos.
    - Vou ligar no hospital e pedir mais uns dias só pra gente, desse jeito. Risos e beijos.

                      031120220..............

   


Biografia:
amo escrever e ler
Número de vezes que este texto foi lido: 33864


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas COLETÂNEAS CULTURAIS 2 paulo ricardo a fogaça
Crônicas COLETÂNEAS CULTURAIS paulo ricardo a fogaça
Romance PROFUNDO 28 IND 16 ANOS PENULTIMO CAP paulo ricardo a fogaça
Romance PROFUNDO 27 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça
Romance PROFUNDO 26 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça
Crônicas O NOVO SECRETÁRIO paulo ricardo a fogaça
Contos PROFUNDO 25 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça
Contos PROFUNDO 24 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça
Contos PROFUNDO 23 IND 16 ANOS paulo ricardo a fogaça
Crônicas A VACINA E AS VIDAS paulo ricardo a fogaça

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 78.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 55856 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 46527 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 44288 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 43063 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 42420 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 42303 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 42283 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 41933 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 41851 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 41816 Visitas

Páginas: Próxima Última