Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
SERES INVISÍVEIS
Realidade ultrajante
Carlos Rogério Lima da Mota

Resumo:
"Joãozinho gritava, caído no chão, ao redor de uma senhora de meia idade. Agora compreendia sua atitude de preferir o dinheiro ao invés da comida. Aquela vozinha de choro, enfim, revelava seu segredo..."

O sol emergia no horizonte, hora em que as flores do jardim davam à luz sementes, que carregadas pelo vento, levavam vida aos mais distantes campos. O dia renascia, assim como minhas esperanças no futuro. De chinelas, ainda sonolento, liguei o carro e deixei a garagem, precisava buscar pão para as crianças. E lá fui àquela padaria do centro.

Ao chegar, fechei o carro, inspirei o ar da manhã e acompanhei o pouso de uma pomba, daquelas bem branquinhas, que vez ou outra aparecem esculpidas em bandeiras de organizações mundiais, tentando levar a paz a países em cuja estupidez da guerra nasceram, cresceram e morreram os filhos. A bela pombinha trazia no bico o alimento dos filhotes e, pelo arrulhar inquietante, estavam mortos de fome.

– Tio, tem um trocado? - perguntou-me um pivete de uns sete anos, aproximando-se. - Tem, tio? Tô com fome!

Ainda que surpreendido com a abordagem àquela hora da manhã, compadeci-me daquele corpo franzino, que envolto a panos de chita expressava o descaso da humanidade.


- Como se chama? - indaguei, ressabiado.

- Joãozinho, senhor! Por favor, me ajude! Preciso de uns trocados...

Senti-me, repentinamente, um pouco culpado por sua dor, afinal, crianças como ele estavam por toda parte, caídas à margem de nossos pés, comendo nossos restos; mesmo assim, permaneciam invisíveis aos nossos olhos.

- Trocado? Cadê seus pais?

- Meu pai tá preso, nem o conheço; minha mãe tá em casa! Me ajude, moço!

– Não prefere um pão doce ao invés de dinheiro?

– Prefiro uns trocados... Minha mãe precisa comprar leite!

– Venha comigo, eu compro o leite, daí você o leva para casa. Sabe, me desculpe, mas não sou adepto à idéia de que criança deva carregar dinheiro... Leve o leite, dou de presente!

– Não... se puder me dar o dinheiro, seria melhor! - disse, em meio a uma voz fininha, então ameaçada pelo choro.

– O que foi? Disse algo errado? Por que quer chorar?

– Mo-ço, tô com fo-fo-fome! Mui-ta fo-fome!

Peguei-o pela mão e o arrastei para dentro da padaria, queria logo saciar sua dor, algo que desconhecia em tese. Depois de muita insistência, ele comeu um pão com mortadela e bebeu uma xícara de leite com café. Comeu de dar gosto! Parecia um daqueles bichinhos de estimação que temos, e que ao chegarem ao nosso lar, encostam-se a algum canto e lá permanecem até o medo ceder às carícias. Parecia apenas, porque ao meu lado, sentado em uma cadeira giratória de padaria, sob os olhares alarmados dos curiosos, não estava um bichinho, mas anjinho. Um anjinho perdido!

Terminado o café, despediu-se de mim, levando debaixo do braço um litro de leite e um saco com pãezinhos. Eu estava com a consciência leve, sei que o que fiz foi pouco, mas se todos o fizessem, menos crianças estariam em condições degradantes como a dele, menos crianças sobrariam nas praças e becos; elas estariam em suas casas, contando com a segurança de pais, mães e irmãos, curtindo a vida numa boa.

Comprei o que precisava, peguei o carro e parti, sorrindo com meu gesto; ao virar a esquina, meu sorriso, como espelho, despedaçou-se diante de uma cena horrenda. Joãozinho gritava, caído no chão, ao redor de uma senhora de meia idade. Com uma das mãos, ela o espancava e com a outra segurava um bebê de alguns meses, também aos berros.

– Não quero porcaria de leite e pão algum, quero é dinheiro, seu tolo. Como vou comprar uma pinga com esse lixo de comida? - vozeava a mulher, como se estivesse possuída por algo... E estava! Pelo vício!

Agora compreendia a atitude de Joãozinho ao preferir o dinheiro ao invés da comida. Aquela vozinha de choro, enfim, revelava seu segredo. Minha vontade era parar o carro, dar uma sova naquela mulher, mas... não tive coragem! Fiz como muitos, virei as costas e fingi que eles eram invisíveis! Doeria menos!

Como a pomba, voltei para casa, levando o alimento das crianças e a esperança de que alguém fizesse algo para mudar aquela vil realidade. Algo que a covardia me impedira de fazer!


Biografia:
Formado em Letras e em Educomunicação. Casado, 34 anos, 3 filhos. Colaborador de diversos órgãos midiáticos, sendo eles: YesMarília - (www.yesmarilia.com.br), parceiro da Globo.Com na cidade de Marília, interior de São Paulo, Jornal da Manhã de Marília e Revista Eletrônica Alô Ibiúna, de Ibiúna/SP. Pertence ao quadro de autores da Editora Virtual Usina de Letras (www.contosjuvenis.cjb.net), mantido pelo Sindicato de Escritores de Brasília, que conta, até o momento, com mais de 99 obras publicadas de sua autoria, em sua maioria, artigos e contos de suspense. Seu sonho é ser apenas FELIZ em vida, afinal, que autor consegue ser feliz ao ser incomodado o tempo todo por sua visão perspicaz e sensível de um mundo já torpe feito o atual? * Sites para os quais escreve: http://recantodasletras.uol.com.br/autores/carlosmota http://twitter.com/autorcarlosmota http://www.artigonal.com/find-articles.php?q=carlos+rogerio+lima+da+mota www.brasilwiki.com.br www.etextos.com.br www.contosjuvenis.cjb.net http://carlosmota.dihitt.com.br/ www.autores.com.br/carlosmota http://www.jornaldamanhamarilia.com.br/site/ver_noticia.aspx?CodNoticia=8298 http://www.diariodesorocaba.com.br/noticias/not.php?id=21168 http://www.talentos.wiki.br/post.php?id=14206 http://autorcarlosmota.blogs.sapo.pt http://contosjuvenis.weblog.com.pt/ http://literaturaperiferica.ning.com/profile/carlosmota
Número de vezes que este texto foi lido: 33763


Outros títulos do mesmo autor

Contos Redenção Carlos Rogério Lima da Mota
Crônicas Deus não existe! Carlos Rogério Lima da Mota
Crônicas Às moscas Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos Como construir leitores capazes de autoria? Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos A telenovela retrata o cotidiano Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos Colunista social português assassinado por suposto namorado Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos PORTUGAL À BEIRA DA BANCARROTA Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos AS ARMADILHAS DA LÍNGUA PORTUGUESA EUROPEIA Carlos Rogério Lima da Mota
Artigos Alunos de escola de Cotia lançam livro coletivo Carlos Rogério Lima da Mota
Romance "OBSESSÃO..." - CAPÍTULO II Carlos Rogério Lima da Mota

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 21.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 34851 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 34797 Visitas
LÍRIO - Alexsandre Soares de Lima 34713 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 34705 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 34703 Visitas
Como posso desenvolver uma campanha de marketing - Antonio 34703 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 34692 Visitas
A PRAIA DO PROGRESSO - Rosângela Barbosa de Souza 34664 Visitas
Um dia serei algo - José Rony de Andrade Alves 34657 Visitas
A Carta Gelada - José Rony de Andrade Alves 34646 Visitas

Páginas: Próxima Última