Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Insônia
Gladyston costa

Com o corpo inquieto sobre a cama, em uma formidável contenda com o travesseiro, a viagem segue, da janela do trem no alto do trilho elevado, a paisagem se movimenta com velocidade crescente e o ambiente é preenchido pelo ruído da máquina. Os estalos da linha férrea são como o “tic tac” do relógio que marca o tempo. Som invisível como mantra na madrugada a acompanhar a imobilidade do tempo. Pela cidade a noite tem a sua marca, inicia com as luzes vermelhas e o brilho dos faróis em mosaico. Correndo a linha férrea a vista é de paredes que se elevam das calçadas até o céu, há luzes e vidas alem das janelas. Gente dormindo, gente acordada, gente de todo o jeito. Apartamentos são caixinhas empilhadas que escondem essas pessoas, cada qual em seu próprio mundo... Quanta gente pela cidade! Uma profusão de vidas escondidas em seus bunkers. Em cada sala de estar, em cada quarto de dormir, no fundo de cada luz nas janelas há gente que vive. Na ausência do anonimato das caras que se misturam pela cidade, como é cada um? A noite com seus mistérios é o momento do encontro com a própria alma. A cabeça sobre a fronha e as rodas de aço que giram, giram como os ponteiros do relógio sem parada. Depois de tudo, da ultima estação, do fim do dia, despe-se dos pensamentos tangíveis. O ruído da noite ecoa no quarto, um espaço infinito e indecifrável. Então, a mente com seus desejos, medos, dúvidas e sonhos, ganha vida própria. Anjos e demônios em uma Divina Comédia. Os olhos correm o escuro em um mergulho profundo. A mente vaga sem sentido e sem ponto de chegada, uma aquarela onde as cores se misturam no espaço. Então, no encontro com a alma, o ponto de inflexão e no fim de tudo, se está sempre só. Quando amanhece o dia os fantasmas da noite se escondem e a vida continua.
Gladyston Costa


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 33758


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Coisas e luz Gladyston costa
Crônicas Na janela, a floreira. Gladyston costa
Crônicas Como foi? Foi um sonho meio doido Gladyston costa
Poesias Quase Lua Gladyston costa
Poesias A curruira e o dente de leão Gladyston costa
Poesias O galo e a cidade Gladyston costa
Romance ''Desejo" Gladyston costa
Poesias Uma vida só Gladyston costa
Poesias Novamente o outono Gladyston costa
Poesias Olhos de Vapor Gladyston costa

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 21 até 30 de um total de 48.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 33896 Visitas
Amores! - 33885 Visitas
Faça alguém feliz - 33879 Visitas
camaro amarelo - 33869 Visitas
Jazz (ou Música e Tomates) - Sérgio Vale 33850 Visitas
Desabafo - 33848 Visitas
A menina e o desenho - 33836 Visitas
MENINA - 33835 Visitas
sei quem sou? - 33834 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 33833 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última