Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Olhos de Vapor
Gladyston costa

Resumo:
A madrugada em sampa, a luz, o vapor e a acidez da noite.

Olhos de vapor

São Paulo, mês seis, já não é mais outono, a madrugada é fria. É inverno, e em meio ao som agudo de sirenes e latidos a janela do decimo andar se abre para o caos, para paredes perfiladas, o horizonte é curto. A retina absorve a luz opaca que dissipa na neblina, vermelha a conjuntiva reclama da noite de pouco sono. Há reflexos de uma luz fria em meio ao vapor que inunda o ar, é densa e desfalecente, vem dos postes e das salas de estar empilhadas como caixotes. Como que proveniente de vagalumes cambaleantes a luz emana, foge e busca o espaço oprimido de névoa e concreto vertical. A luz densa procura flutuar pela madrugada, mas se revela quase morta, é uma quase não luz de tão pouco brilho. Suas partículas, quase sem pulso, tem peso de chumbo e se vestem de enxofre, tem ar de fumaça e se propaga em ondas frágeis. É uma quase não luz, é um sopro de energia que se perde contra a névoa densa e tóxica. Seus reflexos se agrupam em movimentos contrários à sua sede por espaço, e se prendem em feixes de energia, roubados pela insensatez da metrópole. A luz que emana dos postes e janelas chega torpe à retina, são gritos mudos, são gotas de orvalho de mercúrio e enxofre, de tão denso não se espalha no ar. A noite é de frio polar, a cidade é de celas solitárias com suas imensas paredes verticais, de cimento e ferro, de janelas sem expressão. A névoa que absorve a paisagem é cinza como metal, é pesada, é tóxica como chumbo e mercúrio. Os olhos que buscam o horizonte se vêem aprisionados, por entre o vapor da madrugada, e não alcançam o espaço para além da luz roubada.

Gladyston Costa


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 33800


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Pão de Ló Gladyston costa
Contos Esporádica companhia Gladyston costa
Poesias Indolente sedutor Gladyston costa
Crônicas Asas sobre sampa Gladyston costa
Poesias Abraço Gladyston costa
Poesias Água doce Gladyston costa
Crônicas Na borda da banheira Gladyston costa
Poesias Ladeira da misericórdia Gladyston costa
Crônicas Principia a primavera Gladyston costa
Crônicas Divagações sobre um poema Gladyston costa

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 48.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 55868 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 46542 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 44290 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 43068 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 42428 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 42306 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 42290 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 41941 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 41862 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 41826 Visitas

Páginas: Próxima Última