Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Uma vida só
Gladyston costa



Uma vida só, em cada linha traçada no destino as esquinas são pontos de encontro da rotina. O dia acontece e pelo caminho as mesmas cenas, as mesmas pessoas. O dia como os de sempre, o da véspera e da antevéspera, a rotina é estática. Em cada esquina, em cada farol, nos pontos de ônibus e estações as pessoas se repetem... Os automóveis os mesmos. Segunda feira, terça feira todas as feiras, não importa, uma vida só em que os dias são os mesmos. Na cidade a rotina é uniforme, como o da faxineira, do médico ou do policial, a rotina não muda de roupa. O sujeito apressado de calça azul que atravessa a avenida, a mulher de meia idade que conduz a criança, o mendigo na esquina que conta moedas, todos sempre lá. O relógio na parede da estação, os ponteiros, as horas, os minutos, os segundos são sempre os mesmos. A hora passa sem passar, as tarefas, os afazeres, os olhares sem ver não expressam emoção. A cada dia pessoas sem rosto no mesmo espaço, na cidade o mesmo tempo no relógio, a cidade não passa. Um "bom dia" frio no portão, o barulho do motor, a fumaça tóxica que flutua lentamente, a xícara de café sobre a mesa. Um beijo aritmético e as esquinas pelo caminho marcadas pelo sempre, uma vida só de pessoas e coisas na mesma paisagem. As pessoas no caminho soldadinhos de chumbo, sonhos aprisionados em caixa de ferro. O som das buzinas e as palavras sem eco morrem sem sentido. O sol corre pelo caminho, mas não ilumina, apenas marca as horas. Ocultos, os sonhos na caixa são desejos à espera, dia que nunca chega. Sonhos que moram nas pessoas de sempre nas mesmas esquinas, nos mesmos pontos, nas mesmas mesas. A mesma xícara do café pela manhã, o prato de comida no almoço, o guarda sem rosto que lê o jornal, os dias nunca terminam. Uma vida só e os sonhos na caixa à espera. O combustível da vida, a esperança, que busca a centelha e então! Um beijo molhado, o café com o sol alto, as pessoas com rosto, nuvens de algodão e flores no canteiro, outro caminho. Uma vida só pra viver.

Gladyston Costa


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 33817


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Pão de Ló Gladyston costa
Contos Esporádica companhia Gladyston costa
Poesias Indolente sedutor Gladyston costa
Crônicas Asas sobre sampa Gladyston costa
Poesias Abraço Gladyston costa
Poesias Água doce Gladyston costa
Crônicas Na borda da banheira Gladyston costa
Poesias Ladeira da misericórdia Gladyston costa
Crônicas Principia a primavera Gladyston costa
Crônicas Divagações sobre um poema Gladyston costa

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 48.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 55913 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 46563 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 44290 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 43082 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 42435 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 42319 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 42292 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 41955 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 41873 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 41838 Visitas

Páginas: Próxima Última