Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Um dia serei algo
serei eu um consunto?
José Rony de Andrade Alves

Resumo:
Poesia sobre o destino. O que serei um dia? Uma memória, uma história ou um defunto. Talvez um sonhador ou quem sabe um ditador. Um dia serei algo.

Nem que seja um derrotado
Um homem sozinho, isolado
Astuto, instável, inconsolado
Fora de si, louco, transtornado
Um verdadeiro desgraçado
Um dia serei algo

Nem que seja um defunto
Ou ainda um conjunto:
terra, lama, pó, rejunto.
As vezes eu até pergunto:
serei eu um consunto?
Um dia serei algo

Há quem diga um mineral
Absorvido por um animal
Internamente, parte visceral
Terei um destino cru e fecal
Serei um efeito colateral
Um dia serei algo

Nem que seja uma memória
Talvez eu entre para história
Triunfarei com a minha glória
Ou apenas, terei uma vida ilusória
Um fracasso, azarado, sem vitória
Um dia serei algo

Nem que seja um sonhador
Um memorável doutor,
Um senhor sem pudor
Ou apenas um desfavor
Para uma vida sem amor
Um dia serei algo

Nem que seja um destroçado
Há quem diga um milionário
Um grandioso empresário
Ou apenas um esfomeado
Em uma rua, desolado
Um dia serei algo

Nem que seja amigaço
Um super-man, homem de aço
Um beberrão, um bagaço.
Ou quem sabe Pablo Picasso
Ou apenas um palhaço
Um dia serei algo

Nem que seja um velho instável
Há quem diga um ditador inigualável
Populista, com caráter formidável
Ou apenas, um pobre velho deserdado
Sem afeto, simplesmente, abandonado.
Um dia serei algo

E assim, com caráter ferrenho
Com esforço, confiança e empenho
Digo a única certeza que tenho:
É que um dia serei algo.


Biografia:
Número de vezes que este texto foi lido: 40428


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas A filosofia póstuma José Rony de Andrade Alves
Contos Iludido por uma estrela José Rony de Andrade Alves
Contos O EX-DEFUNTO! José Rony de Andrade Alves
Contos A Carta Gelada José Rony de Andrade Alves
Poesias AMOR SAFADO! José Rony de Andrade Alves
Sonetos Amor não é arte José Rony de Andrade Alves
Poesias Navegante destemido José Rony de Andrade Alves
Poesias Para onde eu irei? José Rony de Andrade Alves
Poesias Vivo sozinho José Rony de Andrade Alves
Poesias Marcha ré José Rony de Andrade Alves

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 19.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 55929 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 46580 Visitas
IHVH (IAHUAH) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 44290 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 43092 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 42452 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 42330 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 42302 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 41962 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 41887 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 41857 Visitas

Páginas: Próxima Última