Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Queda Abismal
marilia betarello

Moro em Goiania já alguns anos. Por isso sigo minha rotina como uma goiana: pego ônibus, vou estudar, faço meu lazer e etc. Hoje tomei o transporte coletivo, que é público, mas beeem particular. Cobra-se uma tarifa por viagem de R$3,70. Não bastando isso, toda vez que estudantes ou idosos vão tomar um coletivo, tem de apresentar sua carteirinha de identificação com o nome, CPF, matrícula, nome da mãe, do pais, do filho e do espírito santo...
Além disso, muitos idosos são impedidos de pegar o ônibus por não possuírem a carteirinha e são obrigados a esperar a boa vontade de algum outro motorista que os deixem seguir viagem.
Seguindo viagem, tomei o 002, ônibus que faz a linha do meu bairro até o centro. Passo pela catraca e procuro um lugar no fundo (ainda há lugares, pois não está perto do horário das pessoas saírem do trabalho) sento-me e observo algumas pessoas. A grande maioria no celular e com fones de ouvido, outras lendo, algumas conversando sobre assuntos aleatórios e eu observando.
Meu banco não tem encosto de cabeça, o que torna meu cochilo mais difícil. Do banco da janela posso ter mais espaço e ainda vejo o lado de fora, mesmo que seja a mesma paisagem todos os dias. A rota é sempre a mesma, por isso vejo os grafites de sempre, os hotéis, os hospitais, uma funerária...
No entanto, o ônibus para em um ponto em frente à um DP e sobe pela porta de trás um policial militar. Tudo bem para todos, na verdade quase ninguém repara. Algo normal.
Ele está de pé e um mulher levanta-se para ele sentar. Nossa viagem continua.
Até que o ônibus para em outro ponto mais adiante.
Havia um rapaz com uma camiseta alaranjada-desbotada-encardida, uma bermuda verde musgo, que estava mais para amarronzada e sem sapatos. Seu rosto era magro, fino e só não era amarelo-pálido pois era negro.
Esse rapaz que aparentemente tinha uns vinte e poucos anos, subiu um degrau. Olharam. Outro. Analisaram. Outro. Se espantaram.
O motorista não andou. Parou, exigiu que descesse e as pessoas também.
Elas estavam indignadas.
O policial se levantou. Empurrou-o, gritou e ordenou que descesse imediatamente.
“Desceu”
E eu?
Não pude fazer nada, paralisei.
Só pude olhar para trás e ver aquele frágil corpo se reerguendo da queda.
A queda era a realidade.


Este texto é administrado por: Marilia Betarello Ramalho
Número de vezes que este texto foi lido: 28793


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Pode ser ele marilia betarello
Poesias É a vida marilia betarello
Poesias Deixa ela marilia betarello
Biografias Relato Vila marilia betarello
Poesias Mais um pouco de versos mal escritos marilia betarello
Contos Naufrágio marilia betarello
Poesias Alheia marilia betarello
Poesias As infinidades da mente marilia betarello
Crônicas Queda Abismal marilia betarello
Crônicas Gritos dos silenciados marilia betarello

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 50.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 69538 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55944 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 48563 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 44679 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 44322 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43940 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 43246 Visitas
viramundo vai a frança - 43203 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 41948 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 41577 Visitas

Páginas: Próxima Última