Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
CHEGAR CEDO E CEDER
Flora Fernweh

Chegaste cedo e sem alardes, não estou desperta, apenas deserta.
É muito cedo, amor,
fuja, há tanto para viver antes de nos entregarmos,
estamos em plena aurora.
O eterno dura pouco, um segundo, um presságio, um passo, um desespero,
mas a eternidade é puramente o que você faz disso tudo o ser que és,
vá gozar de sua liberdade, vá viver sem deixar que te roube o coração, entregue-o a mim e lhes dê somente a carne, se assim preferir.
Vá, somos apenas vento, mas a juventude faz de tudo ventania,
em uma utopia que arde e queima, sorrateiramente apaga e aos poucos nos deixa as cinzas dos anos que se confundem entre vividos, vívidos ou sonhados,
é uma doença incurável e misteriosa, inconcebível para aqueles que nunca sofreram com as desordens que nos fazem crer na elegância do futuro e na sede do agora.
Cuidado com as armadilhas que o destino prega, amado meu.
Deixe o mundo te fragilizar para que só o tempo te endureça.
Amor, meu grande amor, depois que tiveres atravessado todas as veredas e conhecido os mais escuros caminhos, deságue em mim, busque seu remendo naquela que poderia ter te poupado tantas angústias,
quando pensares que já viveu tudo o que é reservado a um homem e que já viu todas as paisagens, paraísos e infernos, me procures, sabes onde me encontrar, já até esbarraste em mim um dia, em um dia cedo demais, por sinal.
Permita-me ser seu único amor, para isso, terei de ser a última e não posso ser a primeira, a vida é um sorriso arrebatador, uma surpresa em cada trôpega face, uma paixão quente em cada esquina e um amor fresco em cada olhar.


Biografia:
Sobre minha pessoa, pouco sei, mas posso dizer que sou aquela que na vida anda só, que faz da escrita sua amante, que desvenda as veredas mais profundas do deserto que nela existe, que transborda suas paixões do modo mais feroz, que nunca está em lugar algum, mas que jamais deixará de ser um mistério a ser desvendado pelas ventanias. 
Número de vezes que este texto foi lido: 691


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Caminhos para uma nova gestão do trabalho na era tecnologia Flora Fernweh
Crônicas O ensurdecedor silêncio de adolescer Flora Fernweh
Poesias Adubo do mundo Flora Fernweh
Poesias Devaneio enamorado Flora Fernweh
Frases De: eu Para: mim Flora Fernweh
Crônicas Reflexão sobre o tempo Flora Fernweh
Frases Cura poética Flora Fernweh
Artigos Crise hídrica Flora Fernweh
Artigos Os desafios que habitam os centros urbanos Flora Fernweh
Artigos Os desafios da divulgação cultural no contexto da pandemia Flora Fernweh

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 125.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 66296 Visitas
A Arte De Se Apaixonar - André Henrique Silva 55176 Visitas
Minha namorada - Jose Andrade de Souza 43713 Visitas
Reencontro - Jose Andrade de Souza 43341 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 42959 Visitas
haicai - rodrigo ribeiro 40880 Visitas
OS ANIMAIS E A SABEDORIA POPULAR - Orlando Batista dos Santos 39864 Visitas
Amores! - 38268 Visitas
Amor e Perdão - Amilton Maciel Monteiro 38067 Visitas
Desabafo - 37509 Visitas

Páginas: Próxima Última