Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Noctâmbulo
Aníbal Benévolo Bonorino



Gélida noite de um silêncio atroz,
Silêncio triste, tétrico, feroz -
Noite apavorante.
Na vastidão da abóboda infinita
Nenhum astro, nenhuma luz se agita,
Nada no distante.

Entre passos incertos e tardios,
Nestes caminhos, agora, tão vazios,
Lentamente sigo.
O frio da noite a carne me castiga.
A meu lado nenhuma sombra amiga,
Estou só comigo.

Com o desvairo de um vento louco
Vai-se o silêncio e volta pouco a pouco
Com sua tristeza.
Cai a geada em pulverizações
E desfalece sem ressureições -
Fúnebre beleza.

Em meio à densa nuvem da neblina,
A luz cansada de um farol de esquina
Fere a escuridão.
Na vidraça uma gota desliza
E na calçada, a gota o homem pisa,
A morte está no chão.

Eu vago triste povoando as trevas
E as sedas frias das noturnas névoas
Intensas me envolvem.
Na lentidão da minha caminhada
Procuro algo, em ânsia indisfarçada,
Algo que não vem.

O ébano da noite emudece a terra,
Tempestuosa nuvem pelo espaço erra...
Sonho e choro em vão.
Torna o vento, o silêncio vai morrendo,
Percorre a alma um calafrio horrendo,
Gela o coração.

Caminho, vacilando a cada passo,
Dentro da noite de glacial abraço.
Estamos sós os dois,
A gota argêntea rola e cai de bruços.
Sigo tristonho, pensando nos soluços
Que chorarei depois.

Como o boêmio que transita a esmo,
À procura de algo inexistente,
Escolho a noite para a busca de mim mesmo.

P. Alegre 01/1957


Este texto é administrado por: ANIBAL BENEVOLO BONORINO
Número de vezes que este texto foi lido: 241


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas "Cinco letras que choram." Aníbal Benévolo Bonorino
Poesias Canta-me um fado Aníbal Benévolo Bonorino
Poesias Espantalho Aníbal Benévolo Bonorino
Poesias E isso te importa? Aníbal Benévolo Bonorino
Poesias Não mais. Aníbal Benévolo Bonorino
Poesias A última que morre. Aníbal Benévolo Bonorino
Contos No caminho de Damasco Aníbal Benévolo Bonorino
Poesias Noctâmbulo Aníbal Benévolo Bonorino
Poesias Navegar, eu preciso. Aníbal Benévolo Bonorino
Poesias Espaço das coisas mortas Aníbal Benévolo Bonorino

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 11.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2018
 
  Textos mais lidos
A Dama e o Valete - Talita Vasconcelos 183199 Visitas
PÃO E CIRCO - Tércio Sthal 152327 Visitas
Era uma casa grande - helena Maria Rabello Lyra 151736 Visitas
E assim foi a nossa história... - Nandoww 128642 Visitas
Esse mês de Julho... - Nandoww 67655 Visitas
Transgressão do Dever - helena Maria Rabello Lyra 66391 Visitas
ENTENDA DE UMA VEZ POR TODAS O HINO NACIONAL - Fabbio Cortez 59820 Visitas
Carta a um amor impossível - Carla (Fada) 59718 Visitas
Fazendo amor - Milena Marques 57849 Visitas
Há uma urgência do amor.. - Sabrina Dos Santos 53808 Visitas

Páginas: Próxima Última