Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
As queimadas e os seres da floresta
A saga de Kami
Helio Valim

Resumo:
Os povos originários são os verdadeiros guardiões da floresta. Sua interação vai além do mundo real, avançando pelo sobrenatural, onde seres não humanos, protegem a todos: os habitantes humanos, os amimais, a mata e as águas.
Através do Xamanismo esses povos se conectam com os seres sobrenaturais e evocam a sua proteção.

O jovem Kami (sol) da etnia Waurá, caminhava pela floresta, próximo à sua aldeia localizada às margens da lagoa Piyulaga.

Os Waurá habitam o Território Indígena do Xingu, na região ocidental da bacia do rio Xingu, no estado do Mato Grosso. Sendo reconhecidos pela criatividade do grafismo de sua arte simbólica e de suas máscaras ritualísticas.

Acompanhado de sua amiga inseparável, uma onça-pintada, quase em extinção. Criados juntos, desde o nascimento, possuem uma grande ligação transcendental.

Além de sua esplendida cultura, os Waurá possuem fascinante religiosidade, que une os animais, os humanos e os seres sobrenaturais que povoam suas práticas de Xamanismo.

De repente Kami sentiu um grande aperto em seu coração. O cheiro de fumaça impregnava o ar da floresta, carregando a mensagem das queimadas que destruindo a floresta e seus habitantes, magoam o espírito de povos originais, guardiões da mata, seus antepassados.

A Amazônia sofre com o aumento das queimadas. Esses focos não são, devidamente, controlados ou combatidos, por omissão ou, até conluio dos governantes, autorizando, implicitamente, a ação de madeireiros, “grileiros”, garimpeiros e empresários gananciosos do agronegócio.

Cercado por chamas, sufocado pelo calor e pela fumaça, Kami cai desacordado. Sua amiga, que acompanhava tudo atentamente, percebendo tamanho sofrimento arrasta-o, atordoado, até a margem do rio Batovi. Mas devido a tamanho esforço perde as forças e desfalece.

Kami desperta, encontra a amiga desmaiada e clama aos seres da floresta auxílio para salvá-la. O Xamã da aldeia, sentindo tão intenso lamento evoca tais seres sobrenaturais, que choram sobre a floresta, apagando as chamas e dissipando a fumaça.

Banhada pela chuva refrescante, percebendo apelo tão sofrido, a onça desperta, interrompendo a jornada iniciada, e acaricia o amigo agoniado.



Biografia:
Possuo mais de 30 anos no magistério superior tendo lecionado em Instituições de Ensino no Rio de Janeiro. Sou mestre em Engenharia, pós-graduado em Metodologia do Ensino Superior e graduado em Engenharia Civil e Arquitetura.
Número de vezes que este texto foi lido: 33853


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Devaneio Helio Valim
Poesias Quebrada Helio Valim
Poesias Apenas miragem Helio Valim
Contos Qualquer botequim Helio Valim
Poesias Urbanização nua e crua Helio Valim
Poesias Esporte Clube Helio Valim
Poesias Sem disparo Helio Valim
Poesias Por um beijo seu... Helio Valim
Poesias Via Permanente Helio Valim
Poesias Neologismo Helio Valim

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 11 até 20 de um total de 27.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 40275 Visitas
Um dia - Luca Schneersohn 40253 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 40181 Visitas
LÍRIO - Alexsandre Soares de Lima 40135 Visitas
Seu cheiro de tangerina - Helio Valim 39912 Visitas
A tristeza no Nordeste - Wanessa Daiana de Brito 39747 Visitas
Conexão - Luca Schneersohn 39744 Visitas
Tempo - Luiz Fernando Sacramento Lusoli 39330 Visitas
Um dia serei algo - José Rony de Andrade Alves 39144 Visitas
Pou, a Majestade Não-Zoombi - Alice Silva 39062 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última