Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Nas asas da monarca
Gladyston costa

Resumo:
Sobre o tempo e o espeço, a virtualidade do tempo.

Nas asas da monarca

A borboleta monarca em um voo de esforço, porém elegante, atravessa o mar, passa ao lado da canoa, se esforça, quase toca a água, mas continua. Visão inusitada dos tripulantes que a contemplam, o mar prestes a absorvê-la. Nesta trajetória, com suas asas de seda, atravessa o espaço e dá sentido a uma grandeza por demais abstrata, o tempo. O tempo dividido em antes, durante, e depois, só oferece lógica se observado a partir do movimento das coisas do mundo. O tempo revela-se fruto do pensamento e está ausente no mundo concreto, como toca-lo? O que o evidencia são coisas que se movem, como o voo da monarca, as águas de um rio, as folhas ao vento, as ondas do mar, as estrelas que giram em rotações e translações sem fim. Observar um quadro de imagens antigas da cidade, além de nostálgico, dá aos olhos a sensação de que algo ficou lá atrás, de que atravessamos um campo chamado tempo. Num horizonte tão distante quanto o universo, os olhos não alcançam o passado e nem tão pouco o futuro, estes se misturam em um espaço infinito. A morada da vida, a nave mãe Terra, tal como um rato na esteira, tangencia o sol em 30 metros por segundo em sua viagem eterna. Assim como os elétrons se deslocam em órbita circular, ao redor do núcleo. Só porque “navegar é preciso”. É um movimento que, de tão eterno, soa estático como os ponteiros de um relógio sem corda. Qual o sentido do tempo aqui? Presa como uma pérola no colar, a Terra em sua trajetória, faz o passado ressurgir com exatidão, e prediz os passos da próxima hora. Por aqui, nossa esforçada e elegante monarca, em seu curto e improvável voo, traz à tona a relação do tempo com a sensação de finitude da vida. Mas, se com cuidado e destreza, olhamos para além das cores de suas delicadas asas, encontramos compondo a sua forma partículas tão pequenas como o carbono. Este, a base de toda a vida. Como num jogo de dominó, onde o numero de peças é sempre o mesmo ,o universo material se movimenta entre o antes e o agora. Neste jogo, as peças apenas mudam de lugar. Todas as coisas do mundo são feitas das mesmas coisas de sempre. Sobre a vida, qual o seu real tempo? Um simples átomo de carbono, presente hegemonicamente no mineral mais duro, e de maior brilho, o diamante, também é passageiro e viajante nessa trajetória de tempo e espaço da nossa monarca. Hoje, de carona em suas asas, este carbono atravessa o mar, mas em verdade faz parte de uma viagem muito maior. Muito antes, certamente, esteve vivo ao estar presente em coisas como a cauda de um dinossauro, há séculos! De uma forma muito incrível - a vida é assim - ao se observar um quadro de época na parede tem-se a sensação de que o passado continua em algum lugar. Aqui, o pensamento é tão abstrato quanto o tempo que procura criar. O quadro, com sua imagem,congela este tempo, mas não a vida e o movimento das coisas do mundo. A natureza cíclica da matéria dá bem a dimensão de que, o que marca o tempo, em sua plenitude, são as várias formas que a vida assume nesta trajetória. As partículas da vida viajam pelo espaço, tal como a monarca, em seu voo, e assumem várias formas de viver. Já o tempo, o que dizer? É tão abstrato, quanto o pensamento, e só existe em função dele.

Gladyston Costa


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 33808


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Pão de Ló Gladyston costa
Contos Esporádica companhia Gladyston costa
Poesias Indolente sedutor Gladyston costa
Crônicas Asas sobre sampa Gladyston costa
Poesias Abraço Gladyston costa
Poesias Água doce Gladyston costa
Crônicas Na borda da banheira Gladyston costa
Poesias Ladeira da misericórdia Gladyston costa
Crônicas Principia a primavera Gladyston costa
Crônicas Divagações sobre um poema Gladyston costa

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 48.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2021
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 75417 Visitas
Sem - ANDERSON CARMONA DOMINGUES DE OLIVEIRA 61482 Visitas
NÃO ERA NADA - Alexsandre Soares de Lima 50034 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 49820 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 49338 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 48957 Visitas
A TRISTEZA E O SIM DA VIDA - Alexsandre Soares de Lima 48757 Visitas
MILA, A MENINA QUE MORAVA DENTRO DE UM COGUMELO - Saulo Piva Romero 48592 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 48561 Visitas
Um dia - Luca Schneersohn 48054 Visitas

Páginas: Próxima Última