Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Divagações sobre um poema
Gladyston costa

O trajeto com passos medidos pelas ruas da cidade se perde em meio às imensas paredes verticais que resvalam o céu, o pensamento esvai e o “inconsciente” se vê tragado pela lembrança de uma imagem, aquele rosto com duas pérolas verdes. Já não é de hoje que mentes apaixonadas se veem indagando sobre “o que é efetivamente amar”! A cada passo pela calçada, a cada esquina que se vence, a sensação gostosa de sorrir ao pensar em alguém tenta responder a tal questão. Mas a improvável resposta enche o corpo de calafrios e conduz a uma excitação sem fim. Da véspera, aquela longa conversa retorna aos ouvidos, de tão leves, as palavras de carinho flutuam como o algodão da paineira e então, as ruas da cidade ganham contornos de versos em poemas. Deixa os passos leves como o ar. Mesmo estando distante de pérolas tão verdes, e ainda que cada passo tenha a dimensão de milímetros, a inquietação sossega no sentimento que naturalmente se expressa. A pura expressão da paixão, amor e desejo. Os passos seguem pelas entranhas da cidade, buscam o ombro onde se recostar, encontrará amparo ao desejo de amor? A certeza do sim se apresenta como resposta. Com os passos, o pensamento flutua e permite aos olhos que se buscam tocarem-se silenciosamente em pura emoção. E então, o desejo de ver o outro feliz incondicionalmente é amparado pelo amor que flui naturalmente. Como as flores do dente de leão, pelos canteiros da cidade, que festeja a primavera é este amor natural e incondicional. Os corpos e mentes que se buscam são movidos pelo desejo de ver o outro feliz, são livres como o vento e a chuva, mas se completam em um ciclo mágico que foge a explicações racionais. Há uma cumplicidade compartilhada nas coisas do mundo, os elementos são livres, porém dependentes da existência do outro. É verdade, é a ordem natural das coisas, não é possível burlar... e se o vento é livre, e se as águas da chuva são livres, são livres porque se completam. E se são livres e independentes, mas se completam, ainda que se distanciam, voltam a se encontrar. O amor se concretiza inteiro, pleno e vivo,quando a cada passo dado, se vê para além do alto dos arranha-céus pela cidade, aquela que te faz procurá-la. Vê-se a quem se ama em cada pedaço do caminho e, sobre isso, não há respostas racionais.Vejo você!

Gladyston Costa


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 33760


Outros títulos do mesmo autor

Poesias Coisas e luz Gladyston costa
Crônicas Na janela, a floreira. Gladyston costa
Crônicas Como foi? Foi um sonho meio doido Gladyston costa
Poesias Quase Lua Gladyston costa
Poesias A curruira e o dente de leão Gladyston costa
Poesias O galo e a cidade Gladyston costa
Romance ''Desejo" Gladyston costa
Poesias Uma vida só Gladyston costa
Poesias Novamente o outono Gladyston costa
Poesias Olhos de Vapor Gladyston costa

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última

Publicações de número 21 até 30 de um total de 48.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
The crow - The Wiki World - The Crow 33879 Visitas
Faça alguém feliz - 33877 Visitas
Amores! - 33877 Visitas
camaro amarelo - 33866 Visitas
Desabafo - 33846 Visitas
Jazz (ou Música e Tomates) - Sérgio Vale 33840 Visitas
A menina e o desenho - 33836 Visitas
MENINA - 33832 Visitas
IHV (IAHU) e ISV (IASHUA) - Gileno Correia dos Santos 33832 Visitas
sei quem sou? - 33829 Visitas

Páginas: Primeira Anterior Próxima Última