Login
E-mail
Senha
|Esqueceu a senha?|

  Editora


www.komedi.com.br
tel.:(19)3234.4864
 
  Texto selecionado
Principia a primavera
Gladyston costa

Mais uma vez, a parábola desenhada no espaço, pela terra, traz o início de uma nova estação, setembro avança, é quase fim de inverno. A nova estação, a primavera, vem chegando lenta e com a suavidade costumeira, lá fora uma chuva fina desmancha a secura do ar. Nesta manhã de domingo o silêncio é quebrado pelo ronco distante dos trovões e pelo chiado das águas que alcançam o chão. Contrariando a estridente metrópole, a manhã é silenciosa e o barulho das águas é um mantra que abraça o corpo e o leva a lugares distantes. Em um minuto já se está longe... As paredes retilíneas dos prédios são trocadas pela silhueta dos morros que cercam o vale profundo, decorado por densa mata verde, flores de manacá e ipês se espalham pelas encostas e colorem a paisagem. O cheiro de terra molhada se mistura ao perfume das flores do lírio do brejo. A floresta está em concerto, no ar o som das águas, das folhas nos galhos em balanço, dos pios e dos assovios dos pássaros que se abrigam na densa vegetação, perfeita harmonia. As águas escorrem desde o alto da serra até o fundo do vale, ganham o leito do rio de águas claras e seguem seu curso natural. Com a mudança de estação, a primavera retorna trazendo o frescor das águas da chuva e um novo ciclo de vida. O colorido das flores lá fora, os sabiás laranjeira, sanhaços e toda sorte de passarinhos construindo ninhos, dão à estação uma magia peculiar. Da janela aberta no quarto, a visão das gotas d’água que caem do telhado, traduz o movimento cíclico das coisas do mundo. Assim como a terra se movimenta para alcançar, a cada período, uma nova estação, as águas, após longa viagem, chegam trazendo a certeza da renovação. Em tempos de medo e de estupidez, onde a ganância de homens incautos queima florestas e fere de morte a existência, perceber a natureza cíclica do universo é um alento. A natureza, alheia à fé ou à razão do homem, pertence a ela própria, nascimento, vida e transformação sem fim! Intangível à compreensão. O mundo gira em movimentos de translação e rotação, o tempo é em essência esse movimento, a estação que principia em chegar, definitivamente, marca um novo tempo. A metrópole com seu mar de prédios, ruas e avenidas, para além da janela do quarto, está mergulha em um incerto silêncio nesta manhã. A primavera se aproxima, é tempo de reencontro e contemplação.


Gladyston Costa


Biografia:
-
Número de vezes que este texto foi lido: 33760


Outros títulos do mesmo autor

Crônicas Pão de Ló Gladyston costa
Contos Esporádica companhia Gladyston costa
Poesias Indolente sedutor Gladyston costa
Crônicas Asas sobre sampa Gladyston costa
Poesias Abraço Gladyston costa
Poesias Água doce Gladyston costa
Crônicas Na borda da banheira Gladyston costa
Poesias Ladeira da misericórdia Gladyston costa
Crônicas Principia a primavera Gladyston costa
Crônicas Divagações sobre um poema Gladyston costa

Páginas: Próxima Última

Publicações de número 1 até 10 de um total de 48.

  Envie este texto por e-mail
Digite seu nome:
Digite seu endereço de e-mail:
Digite o nome do destinatário do e-mail:
Digite o endereço de e-mail do destinatário:

escrita@komedi.com.br © 2020
 
  Textos mais lidos
viramundo vai a frança - 34005 Visitas
O Trenzinho - Carlos Vagner de Camargo 33974 Visitas
Como posso desenvolver uma campanha de marketing - Antonio 33946 Visitas
Pensamento 21 - Luca Schneersohn 33937 Visitas
A Carta Gelada - José Rony de Andrade Alves 33936 Visitas
Na caminhada do amor e da caridade - Rosângela Barbosa de Souza 33932 Visitas
Solidão que nada - Morgana Bellazzi de Oliveira Carvalho 33923 Visitas
Guerra suja - Roberto Queiroz 33920 Visitas
Um dia - Luca Schneersohn 33919 Visitas
Os Morcegos - Nato Matos 33915 Visitas

Páginas: Próxima Última